Carrinho 0

Calabar está onde não está: História, Memória e Mito (1869 – 2017) ,

Autoria: Marília Teles Cavalcante
Ano: 2020
Número de Páginas: 200
ISBN: 978-65-86195-26-2

Grátis!

‘Calabar está onde não está’ é uma condição simbólica, reflete uma ‘presença ausente’. É assim que aparece nosso personagem nas discussões a respeito de sua deserção ter sido ou não traição, uma controvérsia que se arrasta há séculos. Em busca de respondê-la foram elaboradas produções históricas, lugares de memória e comemorações, as quais usamos como fontes para desenvolvimento desta pesquisa. Partindo da compreensão de Calabar como mito, o que pretendemos é indicar quais os interesses, em cada contexto, sobre a figura e o que as fontes nos permitem compreender sobre cada um deles. A trama nos permite observar as relações entre história, memória e mito, desde o fim do século XIX até o XXI. Observando os diversos contextos, e, através da história da memória, acompanhamos os processos de evocação da figura mítica de Calabar. A obra está dividida em três partes. Na primeira, analisamos a produção do Instituto Histórico Alagoano ao seu respeito, o que inclui fontes pouco utilizadas na escrita da história de Calabar, revisionismos, discussões sobre sua condição racial e disputas sobre sua atitude, percebemos como na história vai sendo construída sua imagem. Em seguida, acompanhamos a construção de sua memória em Porto Calvo, AL, sua cidade ‘natal’, observando como se apropriam da história dele, visando o ‘turismo cultural’, e como procuram gerar entre a população um sentimento de identificação com Calabar. Por fim, observamos a importante comemoração do ‘Bicentenário da Emancipação de Alagoas’ ocorrida em 2017, focando nas atividades desenvolvidas que retomaram Calabar, nas cidades de Porto Calvo e Maceió. Concluindo a permanência de Calabar como mito, apresentando em que ponto da querela (traidor ou herói) estamos e o que, também ela, nos permite refletir sobre a construção da identidade alagoana hoje.

Seja o primeiro a avaliar “Calabar está onde não está: História, Memória e Mito (1869 – 2017)”